27 outubro, 2011

No que você votou?

Eu votei e tenho votado desde 1983 numa proposta que é a mais condizente com o que penso que deve ser o mundo: onde impostos são transformados em saúde, educação, igualdade. Adiantaram alguma coisa esses votos? Acho que sim. O país, cresceu, há menos miséria, mais gente tem trabalho, etc, etc, etc. 



Aí, bom, o que temos visto é o governo sendo achincalhado, dia sim, dia também, nos caracteres impressos, on-line ou lidos (assistidos e ouvidos) pela grande mídia, aquela que todo mundo tem acesso, seja por ondas – nos lugares mais distantes pelas rádios e TVs “afiliadas” - por cabo ou nas bancas.

E, quanto é mesmo que o governo, desde 2003, destina em “investimento” de publicidade? Uma média de R$1,2 bi anuais e caindo. É certo que esse dinheiro está sendo melhor distribuído. Antes 499 empresas em 182 municípios amealhavam toda a bufunfa, agora 8.094 veículos em 8.933 cidades a recebem. Há melhor divisão. Antes apenas 11 sites e blogs recebiam algum, agora são 2.512. Não discutamos por que é fato.

Mas a pergunta é: se essa dinheirama toda que o governo administra dos nossos impostos fosse posta em saúde, educação e saneamento - só pra falar no básico dos básicos - e também em melhor controle do que está sendo gasto nessa quantidade enorme de ministérios (cada pastinha pra um ou mais partidos da base) precisaria tanta propaganda?

Diz-se que não há dinheiro para investir em infra-estrutura para Banda Larga pública e de qualidade - as empresas públicas da área foram sucateadas pelo governo anterior - mas há para financiamento milionário (quando não bi ou tri) por parte do BNDES para empresas privadas de telecomunicações (que foram privatizadas contra a vontade e o voto da maioria que elegeu esta proposta desde 2003, fique claro).

Levemos em conta também que a tiragem dos impressos cai e o governo, embora mais presente desde 2003 em quase todos os lugares, ocupando o devido lugar que o Estado deve ocupar, e assim tirando as organizações não-governamentais (ONGs) que durante anos fizeram o seu trabalho com o beneplácito dos governos de plantão, ainda não chega a todo o país. Então a
 publicidade posta em locais estratégicos nos mesmos impressos e páginas dizem que o governo é ruim de todo, serve pra contar pra gente que está aqui na cidade (com saúde quase sempre privada e ruim, educação, também quase sempre privada e cada dia pior, transporte coletivo deficiente - então andamos em transporte precário ou em carro, pelos quais pagamos impostos caríssimos por ruas esburacadas e pagando pedágios em estradas quase sempre ruins) que o governo está chegando a lugares e fazendo coisas que antes não fazia. Ok! Me parece muito bom saber! Precisa de tanto dinheiro pra isso? Eu preferiria que esse dinheiro fosse gasto em mais ações visíveis do que em papel que serve pra bichinhos defecarem, com risco de infecção. 


De todos

Se o dinheiro gasto nessas empresas fosse investido em tornar a TV Brasil em canal aberto e em profissionais pagos para mostrar o país que a Globo e as outras concessões não mostram, não seria melhor? Se essa dinheirama fosse investida numa rádio – sinal de rádio chega longe pacas – pública boa de ouvir e com bons profissionais que dessem notícia da aldeia e da taba, que mostrasse a lindeza da cultura de cada cantinho, não seria melhor?

Não sei você que me lê, mas eu sinceramente votei numa proposta que, por um lado vem correspondendo ao que espero do meu país, mas, por outro, vem me decepcionando muito. E meu termômetro é conversar com gente que não votou - e não vai votar nunca - nessa proposta e que me diz que está achando o governo ótimo. E essa gente lê esses jornais e assiste e ouve essas TVs que ainda ficam com a maior fatia do gasto em publicidade e que gastam maior tempo e páginas para dizer que o governo é ruim...

Ok, estamos num regime capitalista, as empresas movem a economia, geram empregos... perfeito. Mas com tanto ministério [chave enorme agora porque parêntesis é pouco: Cultura e Esporte, por exemplo, não é Educação? Telecomunicações não é infra-estrutura? Pesca não é alimento? Direitos humanos não é Justiça?] e as milhares de pessoas que trabalham lá para ter idéias, planejar, tocar, controlar e agir, os passos que nos levam a um modelos mais justo de vida não deveriam ser mais rápidos? O que falta para romper ? O que falta para que custo-benefício seja melhor avaliado e os investimentos cheguem mais rápido e de fato onde precisam chegar?

Para mim falta é peito! E não me venham dizer que a culpa é só da Dilma. Faltou ao Lula também!

_______________________

Para quem não leu, recomendo muito este artigo do Maringoni que está no Escrevinhador  onde fica evidente que, embora haja melhor distribuição das verbas publicitárias desde 2003 até agora,  ainda está tudo errado.
 

6 comentários:

  1. Mara M. de Andréa27 de outubro de 2011 13:22

    Querida Denise!
    Concordo com a grande maioria do que você escreveu, mas... (vão cair de pau em cima de mim), vou dizer que considero que a nossa presidenta pode ter feito o que era necessário. Apesar do PIG.
    Vou dar um tempo. As coisas vão aparecer. Só espero que haja apuração, de fato.

    ResponderExcluir
  2. Podem me bater também! O que me deixa da pá virada é o governo esperar que algumas coisas venham a público pela imprensalona para tomar alguma atitude. O que me revolta é a estrutura caduca (de velha, antiga) que não é tocada. É o loteamento dos cargos em troca de apoio. É a cadeira cativa de partidos num monte de pastas que fazem o quê mesmo? A atitude deste ou daquele - dolorida de se saber e deve ser mais de ter que tomar - é a reação podre a essa estrutura podre...
    Beijos, Mara!

    ResponderExcluir
  3. Denise e Mara: o que me surpreende é vocês acreditarem na imprensa golpista brasileira, ou vcs são tão inocentes que acreditam que as famílias Marinho e Civita e toda a gang estão preocupadas com o bem do Brasil? São empresas capitalistas e visam o LUCRO!!!

    ResponderExcluir
  4. Sonia, fiquei em dúvida: você leu o texto ou opinou em cima dos comentários? Bjkas!

    ResponderExcluir

Web Analytics